domingo, 11 de agosto de 2013

Um sábado cheio

Este sábado foi um dia cheio. Começámos com uma ida tão madrugadora à Feira da Ladra que muitas bancas ainda não estavam montadas. A ideia era a de evitar o calor que se ia pôr, mas acabámos por ter de fazer um bocadinho de tempo para que tudo ficasse devidamente prontinho para a busca de livros "novos". Digamos que o estrago foi pequeno, quando comparado com aventuras anteriores. O saldo ficou-se pelos cinco livros, porém importa dizer que consegui um livro do Somerset Maugham (que adoro) que nem sabia estar traduzido em português. É a sua autobiografia intitulada Exame de Consciência (no original The Summing Up). Custou-me um euro e, só por isso, a feira já valeu a pena. Todavia, de lá vieram mais uns livrinhos. Dois antigos de que não conheço os autores e dois recentes que já namorara muito. Fica a foto: 


Depois de, ao final da tarde, ver o filme A Gaiola Dourada, chegou a vez de ir à Fnac espatifar o saldo que tinha acumulado no cartão. Ora, de lá vieram mais quatro livrinhos, todos eles sobre viagens que são a minha 'pancada' do momento. Digamos que pela leitura já fui à outra ponta do mundo e ainda nem saí do lugar. Há lugares que gostava muito de visitar e outros que não; há experiências que gostava de ter e outras que não. O que a literatura de viagens permite é que se apreenda um pouco da experiência vivida por quem foi a lugares exóticos ou muito fora daquilo a que nos acostumámos. Claro que nunca poderei sentir exactamente o mesmo que esses aventureiros sentiram durante os seus passeios, mas posso imaginar um pouco do que por lá aconteceu e compreender, em certa medida, através dos olhos do viajante o que viu e sentiu noutros lugares. Assim, trouxe para casa dois dos livros de viagens escritos por um dos Monty Python, Michael Palin, nos quais liga as suas viagens a livros ou a autores bem conhecidos, como bem se pode perceber pelos títulos. Trouxe ainda uma recriação dos passos de Fernão Mendes Pinto e uma descrição de Paris feita por um flâneur. Fica, também, a foto:


São, portanto, mais nove livros para arrumar. Mas onde, senhores? Onde?!


1 comentário: